19.10.14

Diary | Walibi Holland

Já vos tinha dito que passei o último fim-de-semana pela Holanda. E também já devem ter percebido que adoro Parques de Diversões (podem ver aqui o post do Efteling e aqui o da Isla Mágica). Portanto, aproveitei esta estadia para ir conhecer mais um: o Walibi. E devo dizer que, entre os 3, foi o que mais gostei. Tanto pelas diversões como pelo evento que acontece pelo parque durante este mês: as Halloween Fright Nights.

O Parque



Fica perto da estação de comboio de Harderwijk e tem um tamanho bastante considerável. Do cimo das montanhas russas, caso consigamos abstrair-nos da parte da velocidade a que vamos e dos loops e por aí fora, podemos observar uma paisagem linda e tipicamente Holandesa: muito verde e plana. 

Quanto às diversões que mais gostei e que acho que vale a pena referenciar:

Goliath: A maior, mais rápida e longa montanha russa de Benelux. Aquela verde e ali mais à esquerda, no mapa. Não tem inversões, mas tem uma altura de cerca de 46 metros e atinge uma velocidade de 107.7km/h. A viagem dura cerca de 1 minuto e 30 segundos e vale mesmo a pena. Andei duas vezes, claro!


Robin Hood: Uma montanha russa de madeira, com mais de 1km de viagem, feito em 2 minutos e 25 segundos. Não é tão rápida nem alta como a anterior, mas por ser de madeira sente-se muito mais a viagem. Como o parque estava aberto até tarde, ainda andei à noite também. Nunca tinha andado numa montanha russa à noite e gostei imenso da experiência. No mapa, é a que está na parte mais superior.


Xpress: Aquela espécie de "novelo preto", ao lado da Goliath. Além de ter 3 inversões, tem um tema super engraçado. Apesar da maior parte da viagem ser feita ao ar livre, a entrada é feita por um caminho a lembrar uma estação de comboios saída de um filme de terror. 


Speed of Sound: Ali mais à direita no mapa, é mais uma que vale tanto pela viagem como pelo seu tema. Ao som de uma música bastante engraçada, são 3 inversões com apenas 285. A parte engraçada é que, mesmo assim, a viagem dura quase dois minutos. Porquê? Não, não é porque anda muito devagarinho, mas sim porque temos direito a rewind. Que é como quem diz, depois de chegarmos ao fim, voltamos para trás ao contrário, o que significa que "temos direito" novamente às 3 inversões, desta vez de costas.



El Condor: Fiquei com uma espécie de amor-ódio relativamente a esta montanha russa. São 5 inversões numa viagem de cerca de dois minutos, onde vamos presos por cima, muito semelhante ao Jaguar na Isla Mágica. Esta é mais dificil identificar no mapa, é aquela ali entre a Goliath e a Xpress. O motivo do amor-ódio? A meio da viagem (e quase que podia jurar que foi quando estava de cabeça para baixo) senti o brinco a cair. Sim sim, eu sei que não é muito inteligente levar os brincos preferidos para uma montanha russa, mas a parte boa é que quando me levantei ele estava na cadeira!


Space Shot: Para não vos falar só de montanhas russas, a Space Shot é daquelas torres de onde caimos numa espécie de queda livre. Esta tem 60 metros e é óptima para ver a paisagem. Excepto, está claro, a primeira subida / início da primeira descida, na qual a ultima coisa que me lembrei foi a paisagem.


Crazy River: A montanha russa aquática. Aquela da praxe, que há em todos os parques de diversões e que eu sei sempre que vou adorar, apesar do resultado final ser inevitavelmente uma molha. No mapa, mais para a direita, perto da Robin Hood.


Halloween Fright Nights

Este evento foi o que nos fez decidir ir ao Parque nesta altura. Depois de andarmos em tudo, a partir das 6, é tempo das Fright Nights, um conjunto de diversões que estão disponíveis apenas durante o mês de Outubro, já no espírito do Halloween.

 

Existem 4 casas assombradas, mas paga-se um valor extra por cada uma delas. Acabámos por só ir a uma, a Jefferson Manor, cujo tema é a família Jefferson. Segundo o rumores, a família usava esta casa para chamar espíritos e acabou por ser esta a causa da sua morte. O ambiente estava bastante engraçado, mas tinhamos um grupo de rapazes atrás de nós que não paravam de gritar. Por isso, os espíritos da mansão Jefferson acharam bastante mais interessante a comunicação com esse grupo.

Além das casas assombradas, existem as Scare Zones. Quarantine - uma zona em quarentena, cheia de zombies; Scarecrows - uns espantalhos que são tudo menos inofensivos; Things - Estas "coisas" são a criação de Eddie, o palhaço que "manda" ali na zona; Campsite of Carnage - Uns senhores muito pouco simpáticos que não gostam que estejamos no seu acampamento; Fiesta de los Muertos - Uma festa Mexicana em honra dos mortos.
Das Scare Zones, a minha preferida foi, sem dúvida a Campsite of Carnage. Confesso que, se fosse agora, teria pago muito mais facilmente para ir a esta zona do que à casa assombrada. Mas, mais uma vez, pode ter sido só um mau timming de entrada na mansão dos Jefferson.

As Scare Zones indicadas a verde no mapa existem apenas no dia de Halloween, pelo que não faço ideia de como sejam.


Finalmente, os shows. Dying to Sing e Eddie. 
O primeiro não tem, na minha opinião, qualquer piada. É uma espécie de show de televisão em que os participantes cantam enquanto levam com farinha, choques eléctricos e outras que tal. Além disso, sendo falado em Holandês, o entendimento da coisa não foi assim tão fácil.
O segundo é bastante mais engraçado. Eddie é um palhaço muito "simpático" para quem todos os maiores icones de terror são apenas meninas. Mais uma vês, em Holandês não é assim tão fácil, mas com alguma ajuda do namorado deu para apanhar as ideias principais. 


Algumas das fotos que tirei durante este dia:

Speed of Sound: a primeira montanha russa em que andámos

Depois do Crazy River: na roupa não se vê bem o resultado, mas pelo cabelo dá para perceber que não saímos de lá secos!

Camisola - ada gatti; Leggings - Zara; Botins - Xti; Casaco - Blanco; Mala - Primark

 Espaço da Fiesta de Los Muertos

Espaço dos Scarecrows

 Fiesta de Los Muertos


Quarantine

Scarecrows

Conheciam este parque? O que acharam?

1 comentário: